A espada do verão [Magnus Chase e os Deuses de Asgard #1], de Rick Riordan

| 21 de maio de 2017 | 0 Comentários

Os conhecedores de Percy Jackson lembrarão do sobrenome Chase como sendo o mesmo de Annabeth. Embora sejam primos, Magnus não é um semideus comum e não apresenta relação nenhuma com os deuses gregos. Como o próprio titulo diz, o livro trata dos deuses nórdicos. Logo no começo do livro Magnus morre em um ato heroico e é levado à Valhala pela valquíria Samirah para treinar até o Ragnarök. Tudo ia bem, seu quarto de hotel e seus amigos de corredor, até que as Nornas aparecem no julgamento de Magnus e despejam uma profecia. Magnus então se vê em um dilema, obedecer as ordens dos lordes de Valhala ou atrasar o inevitável Ragnarök.

Magnus se compara visualmente com Kurt Cobain em vários momentos do livro, mas a semelhança acaba ai. Como um tipico herói de Rick Riordan ele faz de tudo para salvar a humanidade e seus amigos. Sendo filho de Frey, isso se torna mais fácil pois herdou algumas habilidades de cura dos antigos elfos. Em meio a descobertas de como usar seu potencial pós morte, ele é visitado por Loki que sendo o deus da lábia quase consegue persuadi-lo ao caminho do mal. Samirah é filha de Loki, mas renega o pai e se mantem fiel a Odin como as valquírias devem ser. Ela fica arrasada quando é expulsa da ordem das valquírias, porem sua crença em Magnus ser digno de Valhala não se abala. É claro que sozinho Magnus não conseguiria sequer sair de Valhala e seus vários andares para os nove mundos. Por isso seus amigos, um elfo e um anão, aparecem para ajuda-lo a cumprir sua missão de resgatar a espada de verão do seu pai. É claro que a espada fala.

De um modo geral trata de muitos aspectos sobre a cultura nórdica que eu não conhecia, como por exemplo as lendas sobre os deuses. Confesso que fiquei encantada por Loki e outros deuses como Freya. Loki o famoso deus da lábia consegue nos convencer de que seus atos são justificados e Freya com um ar amável e cruel ao mesmo tempo. Rick Riordan consegue abordar os aspectos mais humanos dos deuses e endeusar humanos com boas intenções. Mais uma vez o fato de ser um morador de rua ou o fato de desobedecer as regras não impediu alguém de salvar o mundo.

A cultura nórdica nunca me despertou um interesse profundo até essa leitura. O próprio Rick Riordan faz piada dos heróis retratados nos filmes e dos verdadeiros deuses nórdicos. Meu julgamento sobre essa nova saga foi atrapalhada por Percy Jackson e os Olimpianos, sem duvidas, mas não posso discordar do fato de que é um bom livro, especialmente para quem gosta de historias mitológicas. É de facil compreensão e uma leitura sem muitas complicações embora as lendas sejam conhecidas por serem complicadas e confusas.

Jessica Allana

VEJA TAMBÉM

O Sobrinho do Mago , de C. S. Lewis A aventura começa quando Digory e Polly vão parar no gabinete secreto do excêntrico tio André. Ludibriada por ele, Polly toca o anel mágico e desaparece. Digory, aterrorizado, decide partir imediatamente em busca da amiga no Outro Mundo. Lá ele encontra Polly e, juntos, ouvem Aslam cantar sua canção...
The following two tabs change content below.

Allana

Ler livros começou como uma diversão e agora simplesmente não consigo parar. Gosto de livros antigos que retratam uma época diferente da minha, mas leio qualquer coisa que colocarem nas minhas mãos. Minha unica fraqueza é gostar de todos os livros que leio.

Últimas Postagens de Allana (Ver todas as publicações)

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: Ficção Adolescente, Ficção Histórica, Literatura Juvenil, Rick Riordan

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *