A filha da Diretora, de Adrielle Silva

| 14 de janeiro de 2017 | 0 Comentários

Essa é a capa do livro

Autora: Adrielle Silva [@AdrielleSilva064]

Editora: Plataforma [Site] do Wattpad.com – Link do livro: https://www.wattpad.com/story/64514113-a-filha-da-diretora

Capítulos: 36, incluindo a personalidade dos personagens no início.

Páginas: – Livro virtual

Sinopse: A autora não disponibilizou sinopse em seu livro, então o livro trata basicamente disso: Era o último dia das férias de Mary, onde na praia ela esbarra em um desconhecido, mas esses encontros não acabam por aí. O garoto com que a quase atropela começa a estudar na mesma escola que ela e eles vão se conhecendo aos poucos em uma mistura de sentimentos desconhecidos. Como se não bastasse mais complicações na sua vida sua mãe tem que morar em outro país e ela e seu irmão têm que morar na casa da sua tia. Como será a sua vida agora? E esse garoto que anda lhe despertando sentimentos intensos?

O que achei do livro: Li o livro por causa das visualizações – Atualmente quase 71 mil – e sinto muito, mas esse é de todas as palavras, só posso dizer frustrante e vou explicar o porquê:

Ortografia: A autora erra muito na hora de escrever, quase como um assassinato a ortografia, sei que não é uma autora profissional, mas ela causa erros incríveis como usar rrr e hh na escrita. Mas o pior problema nem é a ortografia e sim onde as ela compacta as palavras, usando termos informais na narração como vc, RS, tbm e etc.

Também há o fato em que a autora não coloca espaço após as pontuações, começa todas as frases em letras minúsculas, no meio das palavras ela coloca substantivos simples em maiúsculas como Forte, palavras todas em maiúscula sem representação de intensidade como GUI, fazendo siglas com palavras com VC – Em maiúscula mesmo -, tbm e cm, colocando emoticons no meio do texto, no meio da narração ela escreve termos como haha. Exemplo: E a Mary haha ela literalmente arrasou na make. Pode assassinar a ortografia assim produção?

Foco literário: Não leia o livro pelo título – E muito menos pela capa, que é sem profundidade e sem informações – o livro não tem nada a ver com o título, A filha da Diretora é uma garota que é filha da diretora e dois por cento da história funciona na escola ou tem haver com a mãe dela ser diretora. O livro não tem drama que os personagens vivem, não tem enredo, não tem motivo pra história viver, ou no caso, continuar.

Coerência: Há fatos nesse livro muito sem sentido. A personagem principal é a única que tem personalidade, os outros só tem características, parece que o mundo vira em volta dela, e sua personalidade é bem superficial como os outros personagens. As vezes algumas coisas que estavam acontecendo desaparecem na memória do livro, como um fato importante ignorado. Também há coisas que nunca aconteceriam na realidade em minha opinião como sua mãe deixar você ficar no Brasil por que você vai sentir falta dos amigos.

Estado na hora de escrever: A autora descreve cada fato como uma metralhadora, quase não há sentimento em sua escrita e muito menos detalhes que fazem o leitor se aprofundar no livro, fazendo termos uma leitura tão superficial quanto um rótulo de uma lata de milho.

Personagem principal: Sem personalidade interior, seu exterior é perfeito: Corpo e rosto perfeito, casa perfeita, família unida, vive na balada e a mãe não reclama, gosta de roupas curtas, ou em outras palavras, uma quase patricinha.

Garotos que se apaixonam por ela ou o contrário: São muito sem sal, são simplesmente fantasias do garoto dos sonhos de uma garota: Musculosos, cabelo perfeito, rico, faz tudo por ela, vive pedindo desculpas, só sabe mandar presentes e fazer encontros, faz sua festa maravilhosa de aniversário. Isso é uma fantasia geral, todos os garotos que estavam a fim dela – Até o primo vale mencionar – tem essa mesma personalidade enjoativa. Tudo bem se fosse em um ou em outro que essa personalidade aparecesse, mas parece um padrão. Acho que neles a autora quis mostrar o próprio padrão de homem perfeito.

Família da personagem: São o povo off da história, pois nem parecem que se importam com ela, tudo que acontece de ruim na vida dela ela simplesmente fala com as amigas.

Amigas: Todas parecem Barbies da vida, no mesmo padrão da personagem principal. Suas participações na história não mostra quase nada de sua vida, mesmo que hajam várias partes com elas narrando quase não dá pra absorver nada.

Opinião final: Não gostei desse livro e só o terminei para ver até onde ia chegar e com certeza com alguns ajustes eu poderia lé-lo novamente, mas atualmente como está não. Eu realmente quase não consegui entender muita coisa por ele ser basicamente em siglas e até hoje quero entender o que é RS – Que não é um estado pela forma de utilização: Meu quarto RS. Vai ler? Comente.

Pontuação: 1,5/5

[Autora sem biografia]

The following two tabs change content below.

Emily Damascena

sou viciada em ler e amo fazer trabalhos sobre o que li. gosto de teatro, musica e livros de ficção, vivi lendo livros desde pequena, pois minha mãe não queria contar as mesmas historias todos os dias, então ela me ensinou a ler e me apaixonei ate os dias de hoje. (caso se goste ou não da resenha comente, de a sua opinião,pois e importante para mim) ps.leia também minhas outras resenhas, tenho certeza que você vai gostar, comente, livro que mudou minha vida: As Vantagens de ser invisível( leia também).

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: +Autor, Ficção Adolescente, Literatura Nacional, Romance Clichê, Wattpad

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *