Amanhã Você Vai Entender, de Rebecca Stead

| 23 de Março de 2018 | 0 Comentários

Autor: Rebecca Stead

Editora: Intrínseca

Páginas: 224

Sinopse:

A jovem Miranda Sinclair precisa desvendar um enigma na Nova York do final da década de 1970. Em Amanhã você vai entender, seu melhor amigo é agredido na rua, um estranho pode ter invadido a casa dela e uma série de bilhetes, que ela não compreende nem tampouco sabe quem escreve, alerta sobre a morte de alguém. Alguém que ela poderá ajudar a salvar.
À medida que as mensagens chegam, Miranda percebe que quem as escreve sabe de detalhes de sua vida que ninguém deveria saber. E, conforme as peças do quebra-cabeça se encaixam, ela finalmente percebe que a resposta sempre esteve ali, bem em sua frente – mas o tempo é ardiloso: guarda hoje momentos que só amanhã você vai entender.
Amanhã você vai entender, segundo livro de Rebecca Stead, recebeu a Medalha Newbery, prêmio da American Library Association destinado às mais importantes contribuições norte-americanas à literatura jovem.

O que eu achei do livro:

“Não se pode sentir falta do que nunca se teve”

O MELHOR MISTÉRIO QUE EU JÁ LI!!!

O que torna o livro o melhor que eu já li é o simples fato de não saber o que estou lendo. Você não entendeu, não é? Explicando melhor, a sinopse não nos trás muita coisa, só sabemos que há um mistério bem intrigante que a garota narra em primeira (ou segunda?) pessoa sobre coisas que passaram há muitos tempo, ou nem tanto. Ela vai nos narrando coisas que consideramos altamente aleatórias e que na nossa mente passam por um ouvido e entram pelo outro, mas que chegando próximo ao final fazem um sentido tão amplo e nós nem imaginávamos o que era. Não conheço ninguém que tenha chego ao fim desse livro e ter alguma noção do tamanho da coisa.

Tem uma coisa também que eu não mencionei: O livro todo acontece durante o fim dos anos setenta e começo dos anos oitenta (Ou mais ou menos por aí). Tem muitas coisas que gosto nesse livro como a riqueza de detalhes fofos (Esse fofos estão mais próximos de interessantes, surpreendentes e diferentes) como chamarem o namorado da mãe dela de Sr. Perfeito e ele dar tapinha no joelho, o trabalho que ela teve, a amizade com Sal – Ninguém deveria ter um nome desses -, o garoto daquele dia que mudou tudo e a descoberta do final. Acho que esses detalhes um pouco cansativos, mas eles dão ao livro toda uma característica que o torna único.

O livro tem muitos capítulos curtos com títulos variados que são inspirados em uma parte do livro em que eles falam uma sequência de palavras e você tem que descobrir de que grupo ela é como caneta, lápis, lapiseira sendo estas coisas para escrever e muitas outras como coisas cheirosas ou coisas que magoam, fazendo a gente gritar em certos capítulos por tentarmos . Só alguns capítulos tem títulos diferenciados como. Algumas pessoas podem achar isso nada a ver, mas acho que essa forma de escrever o nome dos capítulos deixou um toque misterioso.

Como eu apresentei o livro como o melhor mistério devo explicar os motivos da minha afirmação. Primeiramente, em muitos trechos do livro há uma conversa com quem recebe a carta (O livro todo é uma carta escrita para alguém e só descobrimos no final o remetente. A historia tem como protagonistas crianças de doze anos (Me senti lendo Percy Jackson).

Uma das partes mais bizarras (No sentido bom) é a parte sobre viagem no tempo. Tanto eu quanto Miranda ficamos boiando nesse assunto, pois ela entra numa conversa com o amigo e uma amiga que acredito que só os dois personagens sabem do que falaram. Se alguém souber o que significava solta o verbo!

Nesse livro não tenho personagem favorito, por que realmente não tem nada que me faça desgostar. Os detalhes são perfeitos, as pessoas são perfeitas – Não de um jeito clichê. É perfeito porque todos os personagens da trama tem personalidades distintas e características que os fazem parecer reais e torna o livro atemporal.

Vale comentar também: A personagem principal se chama Miranda por causa de um assassino com sobrenome Miranda e uma lei criada a partir do crime dele. Interessante, não?

Pontuação – 6/5

Rebecca Stead nasceu em 16 de janeiro de 1968, e cresceu em Nova York, onde teve a sorte de estudar numa escola primária onde podia sentar-se em uma janela – ou até mesmo debaixo de uma mesa – e ler um livro, sem ninguém para interrompê-la.
Foi lendo que ela tomou paixão pela escrita. Às vezes, Rebecca inventava histórias, ou apenas anotava coisas que ouvia, como, por exemplo, piadas e fragmentos de conversas.
Muito mais tarde, casou-se e formou-se em direito, trabalhando, inicialmente, como defensora pública. Apesar do trabalho, Rebecca continuou a escrever histórias (destinadas ao público adulto) quando podia.
Seu filho, acidentalmente, deixou seu laptop cair, fazendo com que todas as histórias já escritas desaparecessem em questão de segundos. Chegou a hora de escrever algo novo, algo mais alegre. Rebecca foi a uma livraria, comprou uma pilha de livros e, novamente, tomou paixão pela leitura. Foi aí que decidiu ser escritora.
The following two tabs change content below.

Emily Damascena

sou viciada em ler e amo fazer trabalhos sobre o que li. gosto de teatro, musica e livros de ficção, vivi lendo livros desde pequena, pois minha mãe não queria contar as mesmas historias todos os dias, então ela me ensinou a ler e me apaixonei ate os dias de hoje. (caso se goste ou não da resenha comente, de a sua opinião,pois e importante para mim) ps.leia também minhas outras resenhas, tenho certeza que você vai gostar, comente, livro que mudou minha vida: As Vantagens de ser invisível( leia também).

Últimas Postagens de Emily Damascena (Ver todas as publicações)

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: +Autor, Aventura, Drama, Fantasia, Ficção Científica, Literatura Infantil, Literatura Juvenil, Romance policial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *