Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez

| 15 de setembro de 2016 | 0 Comentários

cem-anos-png

Comecei a ler Cem Anos de Solidão, que foi indicada por amigos, por causa do entusiasmo com que falavam da obra, no entanto, sempre que eu perguntava o motivo de tamanha exaltação do livro, não me sabiam explicar o porquê, só diziam que era surpreendente e que eu tinha que ler para tirar as conclusões, aquilo me deixava com uma pulga atrás da orelha: o fato de que, independente, do distanciamento dos que me indicavam, praticamente, a reação de todos era a mesma. Fui pesquisar e vi que de uma lista para outra onde continha as obras consideradas as melhores da literatura de todos os Tempos havia pouca diferença na posição da obra, mas era consenso que estaria entre as primeiras. O livro foi lançado em 1967 e em 1982 ganhou um Prêmio Nobel de Literatura. Já em 2007 foi considerado o segundo mais importante da literatura hispânica, ficando só atrás do sensacional Dom Quixote de La Mancha de Miguel de Cervantes. Motivos não me faltavam para devorá-lo a fim de verificar com meus próprios olhos se era tudo isso mesmo. E concluo ao fim da leitura, que é.

Cem Anos de Solidão não possui um personagem central, a não ser que pensemos na família Buendía como a personificação da solidão humana. O romance é um recorte de 100 anos na vida desta família que vive em uma comunidade fictícia chamada Macondo e na qual acompanhamos as histórias, algumas vezes tristes e outras às gargalhadas, mas sempre surpreendentes e inusitadas e que nos dão a impressão de sermos testemunhas verossímeis dos acontecimentos. Seria complexo falar de todos os inúmeros personagens que perfazem a história, não à toa encontramos fãs assíduos da obra lendo-a com todo o cuidado no intuito da construção da árvore genealógica da família Buendía. Em geral, acompanhamos toda a trajetória de mais de 30 personagens, assim como, as modificações na estrutura e na cultura na aldeia de Macondo e de seus personagens secundários.

A facilidade com que García Márquez nos faz mergulhar na vida de suas figuras narrativas e criar vínculos afetivos com cada uma delas é assombrosa, mesmo que em alguns momentos nos percamos entre os tantos José Arcádios, Aurelianos, Amarantas, Remédios e Úrsulas, isso só torna o enredo ainda mais interessante.  A sua escrita é única, envolvente, peculiar e por vezes os trechos quase gritam a genialidade que está contida nos parágrafos, que por sua vez, são construídos em longos períodos, mas em um ritmo que faz com que a leitura aparente ser veloz e curta.

A trama é escrita em terceira pessoa e o seu estilo é enquadrado como Realismo Mágico, considerado como uma resposta a Literatura Fantástica Europeia e que tem como característica principal a retratação de maneira cotidiana e comum dos fatos que seriam considerados fantasiosos em um enredo de realidade. Gabriel García Márquez é o seu maior representante, o escritor colombiano nasceu em 1927 e faleceu em 2014 aos 87 anos, além de escritor foi editor, jornalista, ativista e político. Teve mais de 40 milhões de exemplares de suas obras vendidas em todo mundo e é um dos autores mais aclamados pela crítica mundial, também é pai do cineasta Rodrigo García. Recomendo muito.

VEJA TAMBÉM

Quincas Borba, de Machado de Assis O livro retrata a imagem de um homem ingênuo, que recebe uma grande herança de seu mestre Quincas Borba. Nessa obra, Machado usa bem a linguagem, mexendo com a estrutura da narrativa, que acontece em 3ª pessoa, lembrando um pouco a forma onde foi escrita Dom Casmurro, onde mostra pouco a pouco a lou...
Prometida, de Carina Rissi Prometida ... Não posso começar essa resenha sem antes deixar claro uma coisa, eu amo a Carina Rissi de paixão, uma das melhores autoras nacionais que eu conheço. (Apesar de ser suspeita para falar) Depois de passar um tempo um tanto longo sem postar nada (4 meses pra ser mais especifica) , aqui e...
A mulher do viajante no tempo, de Audrey Niffenegg... Henry sofre de um distúrbio genético que o faz avançar ou retornar no tempo. Desde pequeno Henry aprendeu que nas suas viagens não poderia levar nada, nem mesmo roupas e teve que aprender a se adaptar aos diferentes momentos em que viajava no tempo, aprendendo truques como arrombar portas e roubar c...
O Lado bom da vida de Matthew Quick Pat Peoples acaba de deixar uma clínica psiquiátrica e tenta retomar sua antiga vida. Pat não sabe como foi parar na clínica nem quanto tempo passou lá (ele acredita que foram apenas alguns meses quando na verdade foi bem mais que isso), tudo que ele sabe é que precisa malhar e emagrecer cada dia ma...
The following two tabs change content below.

Andreia Pariz

Fui acadêmica de Letras e sou formada em Recursos Humanos, atualmente trabalho com revisão de trabalhos acadêmicos. Também sou desenhista, ilustradora e artista plástica. Leio de tudo um pouco, amo terror, suspense, ação, ficção científica, comédia e algumas obras sobre as matérias de História, Ciências Sociais e Políticas, Filosofia e Psicologia, confesso que só não me agrada a área de auto ajuda. Sou aficionada em Livros, séries e filmes, consumidora assídua de conteúdos da cultura pop. Viciada em séries e cinéfila. Tenho 35 anos.

Últimas Postagens de Andreia Pariz (Ver todas as publicações)

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: Literatura Fantástica, Romance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *