Espero Alguém, de Fabrício Carpinejar

| 31 de janeiro de 2014 | 0 Comentários

Capa do Livro Espero AlguemEsse ano tenho um projeto: ler mais autores brasileiros. Nunca tinha lido nada do Fabrício Carpinejar, não conhecia seu trabalho e quando vi Espero Alguém na livraria quis comprar de cara. O que fiz um tempo depois.

“Espero alguém que fique me chamando para dormir, que fique me chamando para despertar, que não precise me chamar para amar.” p. 15

Espero Alguém não é um romance, não é um livro de contos, nem poesias, mas sim um livro que compila várias crônicas sobre o amor.
Devido ao título esperava que fosse falar sobre solteirice, solidão, desilusão, essas coisas, mas as crônicas abordam muito mais. As crônicas falam sobre o amor e a dor de cotovelo, e também falam sobre relações entre irmãos, filhos e pais, pais e filhos (sim, é diferente), sobre ele mesmo, e extrapolando, amigos, professores, vizinhos.

Fabrício é brilhante. Uma característica muito forte de seu livro é a verossimilhança. Devido a própria característica da crônica fiquei me perguntado se tudo o que foi escrito Fabrício viveu de verdade na vida dele. O autor é sensível, suas crônicas são românticas sem ser piegas. Ele fala de família com um humor agradabilíssimo. Trás tudo para o dia-dia ou leva o dia-dia para as páginas do livro. Não existe nenhuma probabilidade de alguém não se identificar com uma crônica, um verso que seja. É a poesia em forma de prosa. A última crônica resume todo o livro e todo o amor.

“Minha namorada, minha noiva, minha mulher, meu amor.
Eu prometo cercar seu silêncio com meu silêncio.
Não nasci para julgá-la, mas para me julgar, e assim, merecê-la.” p. 333

 

Resenha feita por Camila Dorneles.

The following two tabs change content below.

Camila Dorneles

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: Fabrício Carpinejar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *