O Lado Bom Da Vida, de Matthew Quick

| 20 de setembro de 2017 | 0 Comentários

Pat Peoples, um ex-professor na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um “tempo separados”. Tentando recompor os quebra-cabeças de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com seu pai se recusando a falar com ele, a esposa negando-se a revê-lo e os amigos evitando comentar o que aconteceu antes da internação, Pat, agora viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida.

Ao sair do “lugar ruim” Pat está muito mais obcecado por exercícios físicos e coisas de que sua ex-mulher gosta e, Pat é de uma ingenuidade sem igual o que é irritante e ao mesmo tempo encantador, ao ler o livro notei que o autor usa de frases repetitivas ao longo da história, mas vale lembrar que Pat é quem narra sua historia e ele tem deficiência mental. Visto por esse ângulo a ideia de Matthew de usar frases assim é fantástica e muito fofa.

O livro é muito simples e é essa simplicidade que o torna maravilhoso, amei todos os personagens, e com relação a tudo que acontece com Pat ele sempre procura o lado bom da vida, e Pat é um torcedor de futebol americano Eagles e é bastante chato isso já que ele dedica boa parte do livro para falar sobre futebol, ele canta com bastante frequência o hino dos Eagles e o interessante é que o pai de Pat não conversa com ele, mas, nos dias dos jogos eles conversam e bebem juntos. É um livro bem curtinho com 256 páginas narrado em 1ªpessoa, fiquei muito curiosa para saber o que aconteceu com Pat e Nikki então a leitura fluiu bem rápido já que o autor me deixou curiosa sobre determinados acontecimentos, e sobre o filme; ainda não tive a oportunidade de assistir, mas pretendo.

Matthew Quick era professor na Filadélfia, mas decidiu largar tudo e, depois de conhecer a Amazônia peruana, viajar pela África Meridional, trilhar o caminho até o fundo nevado do Grand Canyon, reviu seus valores e, enfim, passou a dedicar todo seu tempo à escrita. Ele, então, fez MFA em Creative Writing pelo Goddard College e voltou para a Filadélfia, onde mora com a esposa. Quick é autor de três romances além de O lado bom da vida, e recebeu várias críticas elogiosas e importantes menções honrosas, entre as quais se destaca a do PEN/Hemingway Award.

 

 

Resenhado por: Thais Rodrigues Silva

The following two tabs change content below.

Thais Rodrigues

Gosto de ler pois só assim posso esquecer as atrocidades e babaquice que sou obrigada a suportar, meus livros favoritos são os romances de época. Amo os autores: Julia Quinn, Jane Austen, Bukowski, Shakespeare, Jonh Green e meu mais recente e velho amor George R.R. Martin ( amo as crônicas de Gelo e Fogo, Amo GAME OF THRONES). E já que, qnd crescemos somos obrigados a trabalhar e estudar eu sou técnica agropecuária e estou cursando faculdade de Agronomia. P.S: AMO ROCK !!! Me sigam no insta: thais_rodrigs_ Skoob: Thais.Rodrigues OBS: sigo todos de volta, beijos

Últimas Postagens de Thais Rodrigues (Ver todas as publicações)

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: Romance psicológico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *