O Vilarejo, de Raphael Montes

| 8 de janeiro de 2016 | 2 Comentários

Em 1589, o padre e demonologista Peter Binsfeld fez a ligação de cada um dos pecados capitais a um demônio, supostamente responsável por invocar o mal nas pessoas. É a partir daí que Raphael Montes cria sete histórias situadas em um vilarejo isolado, apresentando a lenta degradação dos moradores do lugar, e pouco a pouco o próprio vilarejo vai sendo dizimado, maculado pela neve e pela fome. As histórias podem ser lidas em qualquer ordem, sem prejuízo de sua compreensão, mas se relacionam de maneira complexa, de modo que ao término da leitura as narrativas convergem para uma única e surpreendente conclusão.

Esse livro eu encontrei sem querer no Facebook. Estava olhando algumas publicações e vi uma matéria do jornal Folha de São Paulo. Li a descrição e pensei: taí um livro que parece valer a pena. E realmente, valeu muuuito a pena.

Esse livro me fez refletir muito sobre a vida, e as pessoas. No final do livro, fiquei um pouco abismada e entrei numa ressaca literária, porque depois desse livro, nenhum outro pareceu ser “a altura” desse (já saí dessa, amém!).

É um livro de contos de suspense/thriller, mas também podemos considera-lo um livro para reflexão. São sete contos, cada um sobre um pecado capital e seu respectivo demônio e todos acontecem no mesmo vilarejo. O primeiro conto, por exemplo, é “Belzebu”. Nele, podemos ver a situação do vilarejo: um inverno rigoroso, privação total com o mundo exterior e a necessidade de sobrevivência. É um conto de Felika, que precisa alimentar suas crianças, pois seu marido saiu em busca de alimento. Até que alguém bateu a porta. A sra. Helga fora falar com Felika, quem alguém tinha matado seu cão-guia. Felika tentou ignorá-la, mas ela continuou dizendo que alguém tinha matado todos os outros moradores da vila. E é aí que você começa a pegar o ritmo da história, já que naturalmente, a curiosidade vem a tona. E, cara…

O final desse conto é muito surpreendente. Aliás, de todos os contos.

Em suma, eu super recomendo esse livro para aqueles que desejam sair um pouco da sua leitura convencional, curtam um thriller ou querem uma leitura rápida e bem escrita (o livro tem 96 páginas). Esse livro não merece nada menos que nota 5/5.

VEJA TAMBÉM

Assombrado , de Meg Cabot Suzannah passou o último verão no Pebble Beach Hotel and Golf Resort. Não, ela não estava hospedada com os ricaços. Em vez disso, tomava conta dos filhos deles. Foi assim que ela conheceu Paul Slater. Suzannah era a babá do irmãozinho dele, Jack, e Paul se encantou por ela. Mas é claro que quando um...
O Diário de Carson Phillips, de Chris Colfer Do mais recente “primeiro o filme, depois o livro”, O Diário de Carson Phillips narra o dia-a-dia nas “trincheiras” que é a vida de Carson, um jovem ambicioso que está prestes a terminar o ensino médio e entrar para a faculdade, mas antes precisa cumprir algumas metas; e, sério: ele não está a fim d...
Maus: a História de um Sobrevivente, de Art Spiege... Tá aí uma graphic novel pra nenhum hater de HQs olhar de cara feia. Maus é aquele livro que você provavelmente já viu na livraria com alguns ratos desenhados na capa e um símbolo nazista no fundo com a cara de um gato com bigode na frente. Se não viu ainda, vale a pena total. Essa é uma resenha apen...
The following two tabs change content below.

Gabrielle

Gabi Gomes - amante de livros, da boa música e do bom café. Tímida, introvertida, introspectiva e derivados. Não, não sou antissocial, embora eu diga (só pra pararem de perguntar).

Últimas Postagens de Gabrielle (Ver todas as publicações)

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: Drama, Sobrenatural, Suspense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *