Os Trabalhadores do Mar, de Victor Hugo

| 17 de abril de 2014 | 0 Comentários

Capa Os Trabalhadores do Mar“Os Trabalhadores do Mar” é uma obra clássica da literatura mundial, o texto está bem distribuído em capítulos que tem nomes divertidos e sábios, não sendo dobre piratas. Conta a história de Gilliat, uma rapaz perseguido no lugar onde mora, por toda uma população muito crente. Acusado de ser um bruxo por levar uma vida solitária em uma cabana afastada da vila na ilha, Gilliat vive bem com a mãe. Em um natal ele está passando por uma rua no cento de sua vila, onde haviam um menino, um rapaz e uma moça. Gilliat era o rapaz grosseiramente trajado, a jovem finamente preparada para ir a igreja.

Tal jovem se chama Déruchette,filha de um rico proprietário de braco da ilha e uma linda jovem, curioso ele olha o que a moça está fazendo e para sua surpresa percebe que ela está escrevendo seu nome na neve.

A partir desse dia Gilliat, se apaixona pela moça que lhe devota mais que uma indiferença, ela está totalmente a parte de sua existência.
Apesar de viver uma vida digna e pobre, ser reconhecido como ótimo piloto de barco, ajudar a todos na região e dar comida aos pobres Gilliat era visto como filho do diabo pelas pessoas na região de Guersey, todos aceitavam sua bondade, mas lhe queriam mau, falando a todo instante dele pelas costas.

Durante todo o tempo Gilliat não costuma dar ouvidos ao que as pessoas dizem dele e segue sua vida mansamente do jeito que sua mãe lhe ensinou, conservando porém o hábito de espiar na janela dda casa de Mess Lethierry, pai adotivo de Déruchette, homem rico e estimado por sua origem simples, seu bom coração e pela grande alçada que sua vida teve após a invenção do braco a vapor, em busca de Déruchette. Mess Lethierry porém é dotado de um grave defeito, pois confia em todos e na parte boa de todas as pessoas, sendo enganado pelo ardiloso Rantaine em um negócio, em que eram sócios muitos anos atrás.

Messe Lethieerry só tem duas grandes paixões na vida: Déruchette, a quem ele criou como se fosse sua filha de sangue lhe devotando todos os cuidados e proteções possíveis e seu barco Durande que lhe tornou um homem rico e pelo qual o homem sentia um grande apreço. O Durande apesar de antigo foi o primeiro barco a vapor no conjuntos das ilhas de Guersey e Jersey, mas um dia é roubado pelo trapaceiro Rantaine que após ter aplicado um grande golpe resolve fugir, com o dinheiro de Mess Lethierry, se achando esperto acaba sendo pego em uma cena de assassinato pelo senhor Clubin, empregado de Mess Lethierry.

O senhor Clubin que sempre desconfiou da máscara de homem bondoso e honrado que Rantaine vestia, exige o dinheiro como pagamento pela liberdade de Rantaine, que foge levando o barco de Mess Lethierry, enganando a tripulação. Quando o barco sofre um acidente em meio a uma formação rochosa ele se despede da tripulação ficando para morrer como um homem “honrado”, mas na verdade sentindo-se liberto da máscara de honradez que era obrigado a usar e sentindo que enganou a todos.

O braco de Mess Lethierry, se estraçalha, a máquina a vapor porém continua em ótimas condições e este oferece como prêmio ao aventureiro que conseguir lhe trazer o coração do Durande de volta, a máquina a vapor, uma grande quantia em dinheiro, sua eterna estima e a mão de sua filha Déruchette, que na emoção do momento lhe promete isso.

Gilliat interessado em contrair matrimonio com Déruchete ao ouvir isso começa a traçar um plano para recuperar o barco. No outro dia ele parte para recuperar a máquina a vapor.

Durante meses ele passa fome e frio, vivendo ao sol durante o dia, tomando água da chuva e comendo moluscos, enquanto confeccioa com os destroços do Durande uma roldana que consegue alçar a máquina a vapor e coloca-lá em seu próprio barco.

Durante todo este tempo um novo padre chega a ilha de Guersey, parecendo ter um coração muito bondoso, faz Déruchette cativa de seus encantos.

No dia em que Gilliat volta para a ilha, ele vai espiar Déruchette por puro hábito e vê o jovem padre fazendo uma declaração de amor para sua até então prometida Déruchette. Com seu bom coração o jovem vai se apresentar a Mess Lethierry no dia seguinte levando a noticia de que trouxe de volta sua máquina a vapor, o homem muito feliz chama Déruchette para ver seu novo marido, sendo que a garota desmaia ao ver Gilliat, no estado deplorável em que ele voltou dos montes rochosos. Ele então desobriga Déruchette da promessa que ela fez para com seu pai. Mess Lethierry, não entende o motivo da mudança no comportamento do rapaz, mas ao ouvir de Déruchette que ela deseja se casar com o novo padre da ilha ele jura mandar a filha para um convento.

Gilliat então ajuda o casal a fugir, dando dinheiro e arranjando a saída dos dois da ilha, não sem antes celebrar a cerimonia de casamento dos dois. Ele ajuda a carregar as malas de Déruchette, que o coloca como um homem bom, apenas lembrando a garota que promessas jamais devem ser quebradas. E quando o jovem casal parte alegre para sua lua de mel, Gilliat sobe sobre uma pedra que fica em meio ao mar e tem o formato de uma cadeira e assiste o casal indo embora enquanto se afoga com a maré que se eleva sobre ele.

Acho o modo como Vitor Hugo escreve impressionante por como o texto fecha em todos os detalhes, ele não dá ponto sem nó. Acredito pessoalmente que neste livro ele fazia uma critica a sociedade liviana que somente se preocupa com aparências colocando Gilliat como herói excomungado pela população de Guersey, enquanto Rantaine é exaltado como um homem bom, não passando de um trapaceiro, infeliz e odioso. Victor Hugo consegue colocar humanidade em seus personagens de maneia que até hoje é admirada e que falta cada vez mais aos autores modernos.

Sendo um autor já bastante consagrado meus elogios se fazem desnecessários, pois gerações inteiras já provaram e aprovaram seu sabor literário o deixando escrito como um dos grandes nomes na história dos escritores da humanidade.

Nota:5/5

VEJA TAMBÉM

A Fúria dos Reis , de George R. R. Martin Com capítulos narrados entre a passagem de um cometa vermelho pelos céus, o livro lida com o desenrolar das tramas originadas a partir dos acontecimentos em Porto Real e em Essos no livro anterior
Notívago, de Maurício Coelho Contos que muitas vezes já ouvimos alguém contar: um vizinho, um primo, um tio distante ou mesmo um amigo, mais que por algum motivo não nos chama a atenção, exceto nessa leitura que nos deixa com um gostinho de quero mais.
Morte e vida de Charlie St. Cloud, de Ben Sherwood Charlie St. Cloud vive em uma pequena vila de pescadores da Nova Inglaterra, onde trabalha em um antigo cemitério cuidando do gramado e dos monumentos. Quando era mais novo Charlie sobreviveu de um acidente de carro que tirou a vida de seu pequeno irmão Sam, depois desse episódio sua vida mudou, poi...
The following two tabs change content below.

Audrei Bittencourt

Sou uma pessoa diferente, temperamental, com gênio muito forte, divertida e inteligente, gentil e amiga. Tenho paixão por livros desde a primeira série do fundamental e leio pelo menos um por semana. Meus estilos preferidos são romance, terror, mistério e suspense. Autora de "Normalidade" da coleção " A Ceifeira". Técnica Agrícola e Agropecuária, estudante de Ciência e Tecnologia dos Alimentos da UERGS, escritora nos blogs, Resenhas De Livros vinculado ao site Ler Livros Online e De Olho Em São Marcos e autora de “Normalidade” da série A Ceifeira.

Últimas Postagens de Audrei Bittencourt (Ver todas as publicações)

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: Aventura, Literatura Juvenil, Uncategorized

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *