Perdida, de Carina Rissi

| 10 de janeiro de 2016 | 0 Comentários

Perdida, de Carina Rissi Olhei para baixo bem a tempo de ver meu celular- com todos os meus contatos, minha agenda, minhas músicas cair do bolso da calça, boiar por dois segundos e depois mergulhar dentro do vaso sanitário”

 Sófia é uma mulher altamente ligada à tecnologia,como uma cidadã comum de uma cidade grande, trabalha horas em um escritório,mora sozinha em seu apartamento bagunçado e esperta que é,deseja ficar bem distante de relacionamentos amorosos.  Em uma manhã qualquer de trabalho, Sofia chega ao seu escritório com a roupa completamente suja após um motorista ter lançado lama em sua calça jeans e desconfia que seu dia não será lá dono de demasiadas boas emoções e então,após saber que seu computador “deu pau” e ela terá de ceder as provocações do seu tão detestável chefe e trabalhar numa máquina de datilografia até as cinco da tarde,ela passa a ter absoluta certeza disso.

 Sofia encontra-se com a sua melhor amiga Nina em um bar bastante conhecido da cidade e após uns e outros chopes e os os efeitos do álcool lhe subindo à cabeça,acidentalmente deixa que o seu telefone celular caia na privada e para ela, uma nata amante da facilidade e da inovação,perdê-lo daquele modo era sem dúvidas à gota d’água. No dia seguinte, com ou sem ressaca, Sofia decide que não pode ficar nem mais um minuto sem um telefone celular e vai até uma loja com a intenção de adquirir um “monstrinho” (como ela costuma se referir ) novo.  Uma senhora bastante “esquisita” aos olhos de Sofia,surge do outro lado do balcão e após ouvir todas as exigências da jovem mulher,lhe apresenta um aparelho inovador que promete oferecer tudo o que o usuário precisa em apenas um clique,Sofia imediatamente apaixona-se pelo aparelho e logo a senhora fornece a ela todas as contraindicações: “Não é permitido devolvê-lo ou troca-lo ,pois este é um aparelho único”a garota aceita as restrições e adquire-o sem pensar duas vezes, paga o celular com o seu cartão de crédito, deixa a loja agradecendo a curiosa vendedora de idade avançada e então , sem conseguir conter a ansiedade decide ligar o aparelho antes mesmo de chegar em casa. Uma e outra pressionada no botão e nada acontece com o pequeno celular, Sofia está prestes a retornar à loja quando o telefone acende-se emitindo uma luz cada vez mais forte,até ser luminosa o suficiente para impedir que Sofia permanecesse com o olhos abertos. Quando finalmente consegue abrir os olhos, a jovem moça percebe imediatamente que tem algo de errado : Onde está a praça ? As árvores ? A lata de lixo que estava aqui agora mesmo ? Essas perguntas são respondidas no exato momento em que Sofia percebe que foi mandada diretamente para o século dezenove,sozinha e perdida em um ambiente completamente diferente da sua cultura,ela precisa lutar para ter a sua tão amada vida moderna de volta e entender o que está acontecendo, contando apenas com a ajuda do jovem Ian Clarke, que sentiu-se  atordoado em excesso ao encontra-la caída próximo a uma árvore, considerando inapropriado que uma jovem mulher estivesse em sua visão, completamente nua ( usando saia jeans,camiseta branca e all star vermelho) e à  apresenta a sua tão adorável família.  Como Sofia se sairá em meio a toda esta confusão ?  A trama é repleta de uma comédia capaz de prender o leitor e abrir as asas da sua imaginação,lhes rendendo momentos de tirar o fôlego, seja rindo ou se emocionando.  A nota não poderia ser menos merecida,pelos risos arrancados e o expediente no trabalho numa versão zumbi : 5/5

 

 

VEJA TAMBÉM

Obsidiana , de Jenifer L. Armentrout Imaginem um livro que vai prender você até o final? Obsidiana! Sem duvida Obsidiana! Primeiro livro da Saga Lux da autora Jenifer L. Armentrout, publicado pela a editora Valentina aqui no Brasil no ano de 2015. O livro possui 320 páginas, dstribuidas em 30 capítulos. Apesar de ser o primeiro livr...
Perdida – Um Amor Que Ultrapassa As Barreira... Sofia é uma moderna jovem do século XXI e como moradora de uma grande metrópole, ela se diverte como os amigos e trabalha fora, embora, como boa parte dos trabalhadores está insatisfeita com o trabalho que tem, mas ainda assim alimenta o sonho de uma futura promoção.
Não sou esse tipo de Garota, de Siobhan Vivian Quando resolvi ler este livro eu estava no escritório, tinha que resolver várias coisas, mas dependia de um cliente me enviar o material, ou seja, embora eu tivesse muita coisa para fazer, estava "amarrada", então quis baixar um livro que não me exigisse muito na leitura mas que fizesse o tempo pass...
The following two tabs change content below.

Monky

Só eu acho que essa de : "Me chamo Ingrid,tenho 18 anos e..." é meio narcóticos anônimos? Mas enfim, é isso aí mesmo ! Sou apaixonada pela leitura e pela escrita,então aqui estou eu: Leitora por vida , escritora amadora de estórias "mixurucas" apenas por amor ( autora do livro "síndrome" no wattpad) e apaixonada por coxinha. Bom, já sabe o que fazer se precisar de um ajudinha na redação um dia não é ?! Sejam bem vindos !

Últimas Postagens de Monky (Ver todas as publicações)

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: Uncategorized

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *