Uma curva na estrada, de Nicholas Sparks

| 6 de março de 2017 | 0 Comentários

“Esta é acima de tudo uma história de amor e, como tantas histórias de amor, a de Miles Ryan e Sarah Andrews começa com uma tragédia. Ao mesmo tempo, é também uma história de perdão.”

O subxerife, Miles Ryan, tem sua vida e a de seu pequeno filho, Jonah de sete anos, tragicamente alteradas após a morte de sua amada mulher, Missy. Dois anos se passam, sem que o assassino seja  jamais encontrado. Mas o Miles não entende, é porque, o corpo de sua esposa foi encontrado coberto e com flores, como um pedido de desculpas do indivíduo culpado. E o que ele não imagina, é que agora, mesmo depois de tanto tempo, está mais perto do que nunca de pôr as mãos na pessoa que mais odeia no mundo. A nova professora de Jonah, Sarah, por muito tempo vem tentando superar o fim de seu casamento, sem sucesso, decide se mudar para New Bern, passando a trabalhar na escola local. Ao encontrar Miles, rapidamente reconhece em seus olhos a tristeza que o pequeno Jonah carrega. Como em um clichê romântico, eles se apaixonam, mas a história deles vai além do comum. Em uma mistura de suspense, mistério e emoção, em uma curva na estrada, autor desafia o leitor a perceber as entrelinhas.

Miles é um homem comum e apaixonado. Feliz. Até, que tem o amor da sua vida arrancado dele da noite para o dia. A tragédia, somada a falta de explicação, o torna um homem obcecado pelo caso, o fazendo perseguir criminosos em busca de uma resposta, agarrado ao ódio que sente do assassino que fugiu sem prestar socorro. Já Sarah, que se divorciou recentemente, tenta recomeçar sua vida da maneira que pode em New Bern. Dizendo a todos que está bem, agarrada a seu hábito e paixão: lecionar. A personalidade do assassino foi a que mais me tocou. Deixe-me explicar, em primeiro lugar, ele não chega  a ser um vilão, cometeu um erro que mudou sua vida de uma forma que nem ele próprio consegue enxergar a magnitude e, sofre dia após dia com a covardia e a culpa.

Sou suspeita a falar de qualquer coisa que o Nicholas Sparks escreva, ele foi quem me abriu as portas para o mundo literário. O  livro que me despertou o gosto pelo hábito de ler, foi Um amor para recordar, obra bastante conhecida do autor que me fez querer buscar mais. Isso faz dele para mim, o melhor romancista da época. Mas esse livro, em especial, me chama a atenção. É uma história de amor, convencional (0u não), mas que enfatiza a importância do perdão. Mostra que até mesmo para se permitir viver um bom sentimento, antes devemos colocar o orgulho de lado e, superar. Você deve imaginar o fim, mas Nicholas foi além disso. Ele enquadrou a história em um contexto real. Houve o perdão, mas isso não faz Miles um amigo do assassino, entende? Ele só deu o que ele precisava, a chance de seguir em frente. Outro ponto positivo da história é a forma como o texto é narrado. Contém narrações em terceira pessoa e, outra voz, consumida de culpa, que logo fica claro ser a do assassino.

Nota: 5/5

Letícia Melo

The following two tabs change content below.

Letícia Melo

Últimas Postagens de Letícia Melo (Ver todas as publicações)

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: Romance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *