A Sarjeta, de Cassandra Rios

13 de agosto de 2014 | Por | 3 Respostas Mais

Capa A Sarjeta“A Sarjeta” é em primeiro lugar um livro muito antigo e difícil de ser encontrado, mesmo na internet. O trama trata da história do pintor Carlos, que ao ir para uma festa na casa de um amigo, que ele conhecia como sendo quieto e recatado, vê esse amigo envolvido em um mundo de prostitutas e drogas. Sem ter para onde ir o rapaz, que deixou a família para ficar com uma mulher mais velha, que o abandonou assim que o dinheiro acabou. Carlos é jovem e burro e se recusa a voltar para a própria casa, se afastando de sua família e entrando em contato com o submundo da prostituição, que acaba por lhe parecer cada vez mais natural. Logo no inicio ele se envolve com Rosângela que parece ser uma moça de família, mas tem um caso com um poderoso homem casado. Em seguida Mimi a mulher de seu amigo, que trabalha como prostituta começa a dar em cima dele e os dois acabam por ficarem juntos de uma forma escandalosa. Carlos então percebe o quanto está ficando mau afamado, mas passa a posar de comedor para os amigos. A história se passa nos anos 70, mas tem uma quebra de sentido incrível. Eu simplesmente não conseguia me colocar no lugar de Carlos, que eu achava muito burro, mas tinha uma pena dele por todas as merdas que ele fazia. A história termina quando ele se envolve com uma maluca que põe sangue de menstruação no leite dele e ele se apaixona por essa mulher que apesar de louca é mais consciente do que todas as outras com quem ele havia se envolvido até o momento.

Não entendi nada, não me identifiquei com o personagem, não me imaginei passando por esta situação e nem conheço ninguém que passou por isso, mas li o livro até o final duas vezes, porque apesar de tudo a narrativa é leve. A todo o instante eu dizia na minha cabeça- Meus Deus como esse cara é maluco. Não aconselho a ler se você tiver qualquer coisa mais importante para fazer, pois esse é um daqueles livros que você coloca na conta do nunca vou entender.

Biografia do autor: Nascida em 1932 com o nome de Odete Rios, Cassandra foi uma das autoras mais vendidas dos anos 60 e 70 – e também das mais perseguidas pela censura, que não tolerava o forte conteúdo erótico de sua obra, considerada pornográfica pelos setores mais conservadores da cultura. Em seus livros, Rios falava com liberdade e muita sensualidade sobre assuntos mais que polêmicos para a época, como o homossexualidade feminina, as relações entre sexo, religião, política e cultos umbandistas, que “atentavam” contra a moral defendida pelos militares. Lésbica assumida, chegou a vender quase trezentos mil exemplares de seus livros por ano, um sucesso editorial que só seria igualado décadas mais tarde pelo escritor Paulo Coelho.

Outros Livros: A Borboleta Branca, A Breve História de Fábia, A Canção das Ninfas, A Lua Escondida, A Madrasta, A Noite Tem Mais Luzes, A Paranoica, A Piranha Sagrada, A Santa Vaca, A Serpente e A Flor, A Volúpia do Pecado, Anastácia, As Mulheres dos Cabelos de Metal e As Tranças.

Audrei Bittencourt Maciel, Técnica Agrícola e Agropecuária, estudante de Ciência e Tecnologia dos Alimentos da UERGS, escritora nos blogs, Resenhas De Livros vinculado ao site Ler Livros Online e De Olho Em São Marcos e autora da page Ensino Em São Marcos no Facebook. Autora de “Normalidade” da série A Ceifeira.
Nota: 2/5

VEJA TAMBÉM

A Garota Da Capa Vermelha, de Sarah Blakley Com 268 páginas o livro "A Garota Da Capa Vermelha" pode parecer relativamente curto para ser uma narrativa emocionante, ledo engano a autora, Sarah Blakley , consegue colocar emoção em cada palavra escrita levando o leitor para um mundo onde ele consegue ver e sentir o que está acontecendo na histó...
50 Tons Mais Escuros, de E. L. James Assustada com os segredos obscuros do belo e atormentado Christian Grey, Ana Steele põe um ponto final em seu relacionamento com o jovem empresário e concentra-se em sua nova carreira, numa editora de livros.
A Terra das Sombras , de Meg Cabot Suzannah é uma adolescente aparentemente comum que tem um problema com construções antigas. Não é para menos. Afinal, muitas dessas casas velhas são assombradas. E Suzannah é uma mediadora, uma pessoa capaz de ver e falar com fantasmas para ajudá-los a descansar em paz. É claro que esse dom lhe traz...
The following two tabs change content below.

Audrei Bittencourt

Sou uma pessoa diferente, temperamental, com gênio muito forte, divertida e inteligente, gentil e amiga. Tenho paixão por livros desde a primeira série do fundamental e leio pelo menos um por semana. Meus estilos preferidos são romance, terror, mistério e suspense. Autora de "Normalidade" da coleção " A Ceifeira". Técnica Agrícola e Agropecuária, estudante de Ciência e Tecnologia dos Alimentos da UERGS, escritora nos blogs, Resenhas De Livros vinculado ao site Ler Livros Online e De Olho Em São Marcos e autora de “Normalidade” da série A Ceifeira.

Últimas Postagens de Audrei Bittencourt (Ver todas as publicações)

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: Fantasia, Ficção, Literatura erótica, Uncategorized

Sobre o autor ()

Sou uma pessoa diferente, temperamental, com gênio muito forte, divertida e inteligente, gentil e amiga. Tenho paixão por livros desde a primeira série do fundamental e leio pelo menos um por semana. Meus estilos preferidos são romance, terror, mistério e suspense. Autora de "Normalidade" da coleção " A Ceifeira". Técnica Agrícola e Agropecuária, estudante de Ciência e Tecnologia dos Alimentos da UERGS, escritora nos blogs, Resenhas De Livros vinculado ao site Ler Livros Online e De Olho Em São Marcos e autora de “Normalidade” da série A Ceifeira.

Comentários (3)

Trackback URL | Feed RSS para comentários

  1. marcio silva de almeida disse:

    Peguei uma edição dele na Biblioteca Publica de Joinville nos anos 1990. Cassandra Rios era muito lida por machistas nos anos 1960 e 1970(publico adulto).Paulo Coelho naquela epoca era Hyppie e tinha conhcimentos sobre “Demonologia e Satanismo”, escrevia em parceria com o saudoso “Raulzito”, Rita Lee, Zé Rodrix (este ultimo Maçon). Varios interpretes gravavam suas musicas nos 70′.

    • Sofyan disse:

      Oi And!Estou bastante asnsoia por este livro! Estou em um momento litere1rio no qual as distopias este3o me cativando demais!Gostei muito da editora ter mantido a capa original! Sf3 espero que o pree7o seja acessedvel hehehehehe ;)Beijos,NathiBooks in Wonderland

  2. Antonia Oliveira disse:

    Quero muito ler A sarjeta de Cassandra Rios☺️

Deixe um Comentário