Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo, de Benjamin Alire Sáenz.

3 de março de 2016 | Por | Resposta Mais

    Capa do Livro: Aristóteles e Dante Descobrem Os Segredos do Universo

      Aristóteles e Dante se conhecem por acaso, em uma piscina no clube que frequentam, e além de terem o nome de dois intelectuais famosos, os dois não tem nada em comum. Mas Dante começa a ensinar Ari(como ele prefere ser chamado) a nadar e logo eles vão começando a conversar, começam a ler quadrinhos e investigar pessoas em ônibus. Tudo isso se transforma em uma verdadeira amizade.
Aristóteles é basicamente o típico adolescente revoltado. Com seus 15 anos, é solitário, nunca fala com ninguém e bom de briga, além de se sentir levemente superior aos outros garotos, pois tudo o que ele ouve dos meninos que conhece é “uma garota é como uma árvore”, apesar de sua mãe insistir que um dia essas pessoas vão ganhar seus cérebros de volta.
Faz alguns anos que o irmão mais velho de Ari, Bernardo, foi preso e os pais se recusam a falar com ele qualquer coisa sobre isso. Ele se dá bem com a mãe, mas o pai sempre foi distante, motivos para Ari estar tão infeliz com a própria vida.
Já Dante é bem diferente, alegre e extrovertido, sorri para qualquer um e tem um coração sensível. Tem uma família ótima e é filho único. Sempre beija os pais quando chega em casa. Enfim, o oposto de Ari.
Hora da confissão: comecei a ler o livro pela capa. Mas quem pode me julgar? É realmente muito bonita. Este é um livro diferente do que eu costumo ler. Mas valeu a pena. No início, pensei que a história seria chata e Aristóteles muito deprimente(todos os capítulos são narrados por ele), achei que ele era muito mimado e depressivo além da conta. Estava enganada. Depois que você entra fundo na história, descobre um personagem inteligente, cativante e muito triste. Não depressivo, simplesmente infeliz. Mas Ari tem seus momentos de alegria e são esses momentos que nos fazem gostar ainda mais do personagem e isso melhora muito depois de um tempo com Dante. Quando essa amizade estranha começa a se desenvolver, Ari finalmente começa a se abrir para o amigo, revelando a ele segredos que nunca tinha contado para ninguém.
O livro se passa, a maior parte, em 1987 e é muito bom o jeito que o autor trabalhou isso. Ele não colocou simplesmente uma data e foi contando a história. A música, o modo como as pessoas se portavam, o que faziam na época, tudo fica bem claro ao longo de todo o livro.
A história inteira, a amizade entre ele e Dante, o drama por trás da prisão do irmão mais velho, a confusão no passado do pai, tudo isso contribui para um livro totalmente novo. Novo no sentido de que eu nunca tinha lido nada como isso e com toda a certeza do mundo fico horas falando dele para cada pessoa que tem a coragem de me perguntar qual é o meu livro favorito.

VEJA TAMBÉM

O Diário do Meu Melhor Amigo, de Tiagu Reis Cada vez mais, venho me surpreendendo pela qualidade dos livros de autores nacionais a que eu tenho tido acesso em parte pela repercussão das resenhas aqui no resenhas, em parte porque novos autores muito bons vem surgindo em nossa geração, sem que necessariamente lhe demos a devida atenção. Quan...
The following two tabs change content below.

Natália Demétrio

Extraordinário. Mentirosos. Percy Jackson e o Ladrão de Raios. Três livros que (em minha nobre opinião) todas as pessoas do universo deveriam ler. Foi o terceiro livro que impulsionou minha paixão pela leitura e continuo até hoje. ^-^

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: Benjamin Alire Sáenz, Ficção

Sobre o autor ()

Extraordinário. Mentirosos. Percy Jackson e o Ladrão de Raios. Três livros que (em minha nobre opinião) todas as pessoas do universo deveriam ler. Foi o terceiro livro que impulsionou minha paixão pela leitura e continuo até hoje. ^-^

Deixe um Comentário