Cartas de amor aos mortos, de Ava Dellaira

15 de maio de 2015 | Por | Resposta Mais

Capa Cartas de amor as mortosTudo começa quando a professora de Inglês do novo colégio passa uma tarefa bastante incomum para seus alunos do ensino médio, escrever uma carta para alguém que já morreu. Laurel começa a escrever várias cartas para pessoas como Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Elizabeth Bishop… E vai contando para eles a sua história. É a partir dessas cartas que vamos tomar conhecimento que Laurel mudou de escola apenas para não ter que encarar as pessoas comentando sobre a morte da sua irmã mais velha, May. Que ela não está confortavél na posição de filha sobrevivente de pais separados, e que é mesmo muito dificíl entender os mistérios da morte e da vida.
Laurel se torna amiga de Natalie e Hannah, e acaba descobrindo que entre elas existe algo além de amizade.Conhece tambem Tristan e Kristen, que estão no seu ultimo ano da escola e a “adotam” , a compreendem, ensinam muitas coisas a ela e aprendem algumas coisas também.

Pelas cartas descobrimos também que Laurel está apaixonada por Sky, que vem a ser seu primeiro namorado, um garoto misterioso que sempre faz a coisa certa.

As cartas vão narrando a vida da Laurel e o relacionamento dela com May. A irmã que ela julgava ser perfeita. Ela vai percebendo a partir de suas proprias colocações e de outros fatores externos, que pode não ser  bem assim. May não era uma fada, era humana como qualquer outra com defeitos e qualidades. E Laurel precisa enxergar isso para se livrar da culpa e ressentimentos que carrega.
O livro é todo em forma de carta, com tons de confissões e todos os acontecimentos são narrados pela Laurel nelas. Se você é uma pessoa curiosa (como eu) não vai conseguir parar até terminar.É uma leitura fácil, rápida e muito gostosa.

” Tenho pensado muito nisso. No que significa ver a infinidade de cada momento, de cada parte.Quero ser purificada, quero queimar todas as lembranças ruins.”

Nota: 5/5

VEJA TAMBÉM

O Dom, de Nikita Lalwani Rumi Vasi é uma garota-prodígio, com habilidades muito especiais em matemática, desde o jardim de infância. Nascidos na Índia, mas vivendo no País de Gales, os pais de Rumi impõem à filha um isolamento total do mundo de que tanto desconfiam. Fazem com que ela fique sob uma rotina rigorosa de estudos...
Memórias Sexuais no Opus Dei, de Antônio Carlos Br... "Memórias Sexuais No Opus Dei", apesar de muito esperado não recebeu o brilho que se aguardava no Brasil. O livro nada mais é do que a narrativa de como o jovem Antônio Carlos Brolezzi, foi atraído e posteriormente inserido dentro da "Obra de Deus." Provavelmente a temática, pesada também tratada de...
The following two tabs change content below.

Emanuela de Oliveira

Refugiada para sempre no mundo dos livros. Porque uma vida só não basta! Ler sempre foi um exercício encantador para mim, ainda lembro da primeira vez que consegui juntar as letrinhas e formar as palavras,e em seguida frases, fiquei tão contente que nunca mais parei. Amo a sensação de entrar na pele dos personagens e “viver” situações tão diferentes do meu cotidiano, gosto dessa coisa de aprender sem ter que passar pela situação realmente. Divido meu tempo livre entre leitura, animes, filmes e doramas. Se a história da minha vida fosse um livro, gostaria que fosse escrito pela Marian Keyes.

Últimas Postagens de Emanuela de Oliveira (Ver todas as publicações)

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: Ava Dellaira, Drama, Romance

Sobre o autor ()

Refugiada para sempre no mundo dos livros. Porque uma vida só não basta! Ler sempre foi um exercício encantador para mim, ainda lembro da primeira vez que consegui juntar as letrinhas e formar as palavras,e em seguida frases, fiquei tão contente que nunca mais parei. Amo a sensação de entrar na pele dos personagens e “viver” situações tão diferentes do meu cotidiano, gosto dessa coisa de aprender sem ter que passar pela situação realmente. Divido meu tempo livre entre leitura, animes, filmes e doramas. Se a história da minha vida fosse um livro, gostaria que fosse escrito pela Marian Keyes.

Deixe um Comentário