O Código da Inteligência, de Augusto Cury

18 de novembro de 2016 | Por | 6 Respostas Mais

Capa do Livro O código da Inteligência

Neste livro, o Dr. Augusto Cury descreve de maneira instigante os códigos da inteligência. Esses códigos são capazes de estimular tanto jovens como adultos a libertar a criatividade, expandir a arte de pensar, desenvolver saúde psíquica e a excelência profissional. O autor também descreve as armadilhas da mente em que facilmente caímos e que podem bloquear a inteligência. Sabemos muito pouco sobre o que é a inteligência, como lapidá-la, expandi-la e irrigá-la. Com a leitura de O código da inteligência, nossos olhos serão abertos para uma abordagem inovadora sobre a inteligência. Alunos, profissionais, pais, professores e médicos ficarão surpresos com esta fascinante obra do Dr. Cury. As cortinas do teatro psíquico se abrirão.

Ao olhar para a capa de “ O código da inteligência” de Augusto Cury, provavelmente você pensaria que é mais um desses livros de autoajuda que tenta encaixar as pessoas em um padrão, um livro cheio de frases no imperativo dizendo “faça isso e seja feliz”. Entretanto, apesar da impressão inicial é um livro surpreendente.

O autor não apenas expõe os códigos da inteligência, mas tem em seus parágrafos uma crítica latente a sociedade capitalista e consumista, que está criando pessoas ansiosas, com síndromes como a do pensamento acelerado (SPA), depressão, vícios e tantos outros problemas que acometem nosso meio social.

Cury argumenta que a sociedade está voltada para a razão, criando indivíduos que são incapazes de ter empatia, amor e muito menos autocontrole. Nas próprias palavras do autor “[…] não apenas a irritabilidade, o egoísmo e a arrogância são frutos ilógicos da emoção, mas também o amor, a compaixão, a solidariedade e o perdão”.

Os oito códigos da inteligência, não servem unicamente para organizar a vida pessoal ou obter sucesso profissional, eles tem por objetivo reeditar as zonas de conflito da mente humana, treinar de modo continuo a reflexão sobre si mesmo, seus próprios valores e emoções.

O que o autor sugere, é ter um aparato ideológico que permita a cada um ser o protagonista de sua própria vida, ser autocritico, ou seja, pensar nas consequências de seus atos, avaliar o âmbito em que o individuo esta inserido e tirar suas próprias conclusões. Assim como ter resiliência aos momentos difíceis. Augusto Cury expõe os arrogantes, que se afirmam com ênfase para esconder sua vulnerabilidade, explora a mente de um suicida e fala como a nossa sociedade está doente e disseminando psicopatia.

O psiquiatra adentra o âmbito escolar, criticando as salas de aula mortas de debates e idéias, explora o fato de que a escola que em tese deveria ser fonte de inspiração e respeito, torna-se um meio de repressão e traumas que se arrastam até a vida adulta. Ele fala sobre o carisma e o modo como lideres tiranos como Hitler e Stalin conseguiram chegar ao poder e dominar tantos outros, promovendo atos terríveis e assustadores.

Neste livro, Cury defende a tese de que inteligência não é apenas um amontoado de informações em nossa mente, que há muito mais e que pessoas completamente racionais estão aptas para conviver com maquinas e não com seres humanos, que são falhos e imperfeitos.

De modo geral, ele reforça que devemos pensar antes de agir, não nos levar por instinto ou o calor do momento, assim como, seguir adiante com comportamentos destrutivos, que ele classificou nas armadilhas da mente, sendo elas: Conformismo, coitadismo, o medo de reconhecer erros e de correr riscos.

Em síntese, o autor diz que quanto mais uma pessoa decifrar esses códigos, mais se humanizará e se afastara da própria noção de deus rígido e autossuficiente.

VEJA TAMBÉM

Rainha de Copas, de Colleen Oakes Rainha de copas é o primeiro livro de uma saga, da autora Colleen Oakes lançado no Brasil pela editora Universo dos Livros, ganhador do prêmio next generation indie book award para jovens adultos em 2014. Um livro relativamente pequeno com 216 páginas, divididos em 16 capítulos, com uma narrativa in...
Crepúsculo , de Meg Cabot Eu simplesmente amei Crepúsculo, não tenho palavras para dizer como amei o final. Eu tinha meu palpite que o final seria dessa forma, que não posso contar, mas mesmo assim me emocionei. Meg conseguiu fechar a saga com chave de ouro, tudo fez sentido, cada personagem deve um final "bem fechado", ning...
Divergente , de Veronica Roth Durante a iniciação altamente competitiva que se segue, Beatrice muda seu nome para Tris e se esforça para decidir quem são realmente seus amigos - e onde se encaixa em sua nova vida um romance com uma rapaz fascinante, porém perturbador. Mas Tris também tem um segredo, que mantêm escondido de todos...
The following two tabs change content below.
Meus dois interesses principais: Livros e Música. Não tenho nenhum escritor favorito; Amo escrever. Prazer, esta sou eu.

Quer receber nossas atualizações por e-mail?

Nós podemos ajudá-lo a escolher sua próxima leitura.

Categoria: +Autor, Autoajuda

Sobre o autor ()

Meus dois interesses principais: Livros e Música. Não tenho nenhum escritor favorito; Amo escrever. Prazer, esta sou eu.

Comentários (6)

Trackback URL | Feed RSS para comentários

  1. Maria Dalva Alves barros disse:

    gosto muito de ler e manter informada,porem os custos dos livros sao mtos caros,gostaria de participar deste grupo de leitura.

  2. Será que o inteligente nasce ou se torna?

Deixe um Comentário